quarta-feira, agosto 29, 2007

A fazer-se dificil

Géniozinho este, o dela.
Hoje e amanhã tenho de realizar umas actividades de educação ambiental previstas já há 3 meses. Assim e como a pirralha está em casa por fecho de infantário, o pai mudou as folgas para estes mesmos dias de modo a poder ficar com ela.
Pai é pai, ela até já tem permitido que seja ele a deita-la sem chinfrins de maior. Deixo as comidas preparadas, é só até à hora de almoço. Tudo pacífico, certo?
ERRADO. Nada mais errado.
Mamou às 8h da manhã, biberon dado pelo pai.
Às 11h telefono a saber noticias, tudo calmo a pirralha dorme, como de costume, um bocadinho antes de almoço que deve ser por volta das 11:30h para acertar com a escolinha nova.
Às 13:30h telefona-me o pai desesperado, Não comeu nem uma colher. Nem sopa, nem fruta. Nem na cadeira, nem no carrinho, nem ao colo, nem no chão, nem com cantigas, nem à frente do aquário. Nada. Rien. Niente.
Dou-lhe mais umas sugestões, peço para ter calma, vai conseguir.
Às 14:30h novo telefonema do pai. Continua sem comer. Não tem febre, está bem disposta, mas não abre a boca nem por nada.
Despacho-me o mais rapido que posso e sigo para casa.
Encontro-a a dormir, de barriga vazia.
O Pai com cara de quem lhe passou um camião por cima.
Acorda passado um bocadinho, bem disposta.
Decidimos ser eu a tentar dar-lhe de comer qualquer coisa, porque 8h à fome já começa a ser exagero.
Comeu tudo, sem reclamar.
Ao jantar vai de novo ser o pai a tentar dar de comer, para ver se amanhã o circo não se repete.
Oh filha, a mãe também sente a tua falta, mas não pode ser meu anjo, não pode ser a mãe a fazer tudo, a mãe não pode estar sempre ao pé de ti. E o pai ficou tão triste, meu doce.
Vá lá, vamos dar uma ajudinha ao pai, sim?

(e evito pensar na entrada no novo infantário...)
Licença Creative Commons
Mundo Azul by Rita Coelho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 2.5 Portugal