quinta-feira, janeiro 18, 2007

Foi assim nascer

Quinta-feira, 28 de Dezembro, 9h da manhã, o L. saía para o trabalho, fui à casa de banho e constatei alegremente a saída do rolhão mucoso. Ainda apanhei o L. junto ao carro para lhe contar, insisti para que fosse trabalhar na mesma, porque o processo só agora estava a começar.
Passei o dia com algumas "impressões" mas sem contracções efectivas. Almocei descansadamente com os meus pais. Tudo pacífico.

Sexta-feira, 29 de Dezembro, 4h da manhã, mais uma ida ao WC e mais rolhão mucoso. Contracções, nem sinal. Por volta das 10h da manhã, decidi ligar ao obstetra a fazer-lhe o ponto da situação. Sugeriu que me dirigisse ao hospital para ser vista e saber em que pé estavam as coisas.
Assim fizemos 1h depois. Entrei no Hospital do Barlavento por volta das 11:30h da manhã, fui logo atendida e fizeram-me o belo do "toque". Argghhhh. Estava tudo a correr tão bem, não havia mesmo necessidade! Depois de a muito custo me conseguir inspeccionar as entranhas, a enfermeira constatou: colo do útero bem fechado, sem dilatação.

Regressamos a casa, agora bastante desconfortável e com mais contracções mas pouco dolorosas.
Este estado de "não dor" alterou-se pouco depois e comecei com contracções efectivas e ritmadas por volta das 13h. Almoçámos em casa, com a irmã do L., o Z. e o sobrinho A., que vieram esperar a Inês connosco.
A tarde foi de contracções e ao fim do dia decidimos ir dar um passeio a pé pela falésia para me tentar distrair das dores, já muuito fortes. Escusado será dizer que parámos milhares de vezes, para eu respirar agarrada a qualquer coisa, enquanto o meu corpo se preparava.
Tentei jantar, mas sem sucesso. As contracções eram demasiado fortes, mas continuavam espaçadas de 5 em 5 minutos.
Por volta das 22h decidimos ir novamente ao hospital. Avisei a família e a amiga que havia de dar noticías nossas aqui.

Fui atendida rapidamente, mais um toque e o veredito: 2cm de dilatação e vai cá ficar. Nem queria acreditar! "Só?! Desde as 13h com contracções e só 2cm?! Tou feita..."
Foram avisar o L., enquanto me "preparavam" e levaram-me para a sala de partos. Estava tudo calmo. Era a única mulher em trabalho de parto.
Chegou o L., com um sorriso nos lábios, contei-lhe o que se tinha passado na ausência dele e disse à enfermeira que queria levar epidural.
"Ui, vamos lá ver se vai ser possível... Só temos a Dra. XX e falta pouco para a meia-noite (Só dão epidural até às 24h!!!!!). Daqui a pouco a parteira vem vê-la e logo vemos se dá. Pode ser que sim." Simpática mas pouco convincente.
Eram 23 e pouco e fiquei só com o L. O CTG ligado ia-nos mostrando a Inês e as minhas contracções que chegavam aos 70% (Uuuiii). Apesar das dores, consegui sempre fazer a respiração que devia e não cheguei a fazer uso da lista mental de palavrões que tinha preparado.
Faltavam 10min para a meia-noite, entra a parteira. Carrancuda qb, mais um toque e outro cm de dilatação. 3 ao todo.
Voltei a lembrar a epidural e a resposta: "A esta hora?! Não me parece! Nem sei onde está a anestesista! Já se vê." E saiu com o mesmo ar carrancudo com que entrou.
Apesar de uma esperançazinha que quis manter, a verdade é que com aquela boa-vontade ficámos convencidos que não se iam esforçar minimamente para me darem a epidural.

Mas precisamente às 24h eis que chega a parteira e a anestesista. Simpática e conversadora, pediu ao L. para sair. Prepararam-me, enquanto me explicava o que ia fazer. Entre uma contracção e outra lá consegui responder às perguntas que me iam fazendo e 10 minutos depois estava sentada na beira da maca de costas dobradas, agarrada a uma almofada. Tempo para uma última contracção que o CTG disse ser de 98%. Aiiiii mesmo!
"se tiver uma contracção enquanto lhe coloco o catéter avise-me mas não se pode mexer."
E como raio é que eu vou fazer isso?, pensei. Ainda por cima sentada, que agudiza cada contracção como se me batessem com uma marreta nos rins!

Aguentei-me à bronca e pouco depois estava novamente deitada com o catéter inserido e um líquido frio a escorrer pelas costas. À 4a dose, deixei de ter dores. Que alívio.
Chamaram novamente o L. e continuamos a conversar com a anestesista.

De repente, ela vira discretamente o ctg para ela e pede-me para me virar para o lado esquerdo. Uns segundos assim e pede-me para me virar para o lado direito. Pede à parteira para chamar o obstetra. "A bébé está bradicardia."
Voltei a virar-me e disse que aquilo já tinha acontecido uma vez no 1º CTG que fiz no obstetra.
A Inês parecia não recuperar e de repente deixaram de lhe apanhar qualquer batimento cardíaco. Escusado será dizer que comecei a ficar nervosa, com medo. Olhei o L., que me agarrou na mão e esboçou um sorriso a dizer que ia correr tudo bem.

Decidiram romper-me a bolsa das águas para poderem colocar uma sonda interna, tentando apanhar-lhe o batimento cardíaco. Assim fizeram e conseguiram. Mas a bradicardia mantinha-se. A Inês não estava bem. O Obstetra fez-me um toque para verificar a dilatação e mandou vir um ecografo. Fez uma ecografia rápida, para ver o coraçãozinho da Inês a bater.
Saiu da sala para volta a entrar passado uns minutos.
A minha dilatação estava a fazer-se a grande velocidade o que podia ter feito a Inês descer demasiado rápido para o canal de parto, provocando a bradicardia. Mas eram suposições. Na ausência de certezas e de melhorias, começaram a equacionar uma cesariana de urgência."Não, ela tem a dilatação quase feita. Dá para fazermos normal", dizia a parteira para o obstetra. Este olhava-me apreensivo, o que me deixava ainda mais nervosa. Perguntou-me qual o peso previsto da Inês. "3,400Kg a semana passada". Não o sentia minimamente confiante com o cenário e isso estava a deixar-me à beira do pânico.
Do nada pergunta-me se estou com coragem para fazer aquilo.
"Mas que raio de pergunta é esta?!", pensei.
"Dr. fazemos o que achar melhor para a minha filha", disse convicta.

Ele olhava para mim, para o CTG, para a parteira. Deixaram de conseguir monitorizar novamente a Inês. Tocou uma campainha e chamou a chefe de serviço, que me tinha recebido. A sala de partos encheu-se de enfermeiras e auxiliares e o meu coração ficou do tamanho de uma ervilha. Pequenino de tão apertado. Quase esmagado pelo medo que estava a sentir. Pela Inês.

Pediram-me para colocar as pernas nos estribos. A dilatação ainda não estava completa e o obstetra perguntou à chefe se achava que valia a pena usar ventosa, ela espreitou e disse que sim. Voltou a perguntar-me o peso previsto da bébé. Não estava a acreditar que aquilo nos estava a acontecer...
De repente, o obstetra decide avançar e começou a mandar chamar o pediatra insistentemente. Sentia a sua apreensão que só fazia crescer o meu medo.
Mandou uma enfermeira para cima de mim e a parteira disse-me para fazer força. Entretanto tinham já feito a episiotomia que não senti. Fiz força sem saber onde, nem com que intensidade. A grande desvantagem da epidural, mas a parteira descansou-me:
"Está a ir mto bem, mas temos de ser mais rápidos".
A enfermeira que estava junto a mim disse-me então para inspirar fundo, não deixar sair o ar e fazer força juntamente com ela. Assim fiz enquanto ela espetava literalmente o cotovelo dela na minha barriga. Ela contra a Inês, com o meu corpo pelo meio. Foi a 1a vez que gritei de dor. O L. não me largou a mão um segundo e eis que sai a cabeça. Deu-me um beijo na testa, sorriu, "está quase linda, falta pouco".
Fiz força mais uma vez, e novamente o maldito cotovelo da enfermeira.
De repente, a expulsão e o vazio. São 2:20h da manhã.
A Inês fora de mim, chora reclamando com o mundo.
Procuro-a entre aquela gente toda e vejo-a ao fundo, na mesa que tinham preparado para a receber, nas mãos do pediatra.
"Filha, filha..." choro baixinho.
"Ela está bem, está tudo bem", diz-me o pediatra.

Olho para o L. que procura a filha de lágrimas nos olhos.
"Já está linda, já está, diz-me.

Vejo sair a placenta e a Inês na direcção da balança. 2,840Kg diz o pediatra.
"Só?! Mas estava previsto muito mais."
O obstetra olha-me e suspira "Ainda bem que é pequenina".

Trazem-me a Inês e o meu coração cresce, como se me quisesse saltar do peito. Ainda tanto medo, mas tão feliz.
O L. tira-nos as 1as fotos.
Mãe e filha olham-se nos olhos. Os olhos bem abertos da filha, nos olhos marejados da mãe.
Muda tudo. Nada se compara.

Levam novamente a Inês e pedem ao pai para sair.
A sala esvazia-se e fico só com o obstetra que me começa a suturar.
Falamos com calma.
Diz que ainda bem que a Inês era mais pequena do que se pensava, "Senão não tinha passado". "E se fosse assim, o que acontecia?", perguntei. Tinhamos de fazer cesariana, mas como ela já estava encaixada, ia ser preciso envia-la novamente para trás.".
"Que sufoco...", suspirei.
"Sabe, por vezes temos de tomar decisões dificeis, como esta e viver com elas para o resto da vida. Correu tudo bem. Correu tudo o melhor que podia."
"E essa episitomia é grande?"
"Pois, é um bocadinho maior que o normal, porque tivemos de fazer aquelas manobras todas"
Que bom saber.... Gluuuup
Bastante tempo depois, não consigo precisar quanto, terminou e desejou-me felicidades. Levaram-me para a zona de recobro e trouxeram novamente a Inês e o L. A enfermeira deu uma ajuda e pusemos a pirralhinha a mamar. Fê-lo durante 1h. Depois levaram-nos para o quarto.

Estivemos mais um pouco os 3 juntos até que chegou a hora do L. sair. Passava das 4h da manhã.
Fiquei com a Inês nos braços, a vê-la dormir e a decorar cada bocadinho dela.
Pensei no L. e em como tinha sido importante a sua força, sentir a presença, o amor. E em como ele se tinha portado bem, ao contrário do que ele próprio imaginara.
Deitei-a no berço agarrada ao meu dedo indicador.
Dormimos assim, pela primeira vez, separadamente juntas.

Foi assim nascer no nosso Mundo.

(O pessoal do hospital foi todo super simpatico e prestável. Fiquei com a melhor das impressões de todas as enfermeiras e médicos, por cujos turnos passámos. Foram incansáveis no estímulo à amamentação, nos cuidados connosco, na atenção com o pai. As instalações do HBA são excelentes. 5 estrelas.)

11 comentários:

Sonia disse...

Estou em lágrimas, sabes, foi uma descrição mesmo muito sentida, e agora vivida por mim, a poucos dias da Inês nascer...

Muitos PARABÉNS por toda essa coragem e determinação. Acho que nem nós sabemos do que somos capazes por um filho , até passarmos por essa experiência.

Muitos beijinhos e felicidades.
(estou mto feliz)

Avozinha disse...

É. O relato também faz subir lágrimas aos ohos de quem não o viveu. Ainda bem que tudo acabou em bem. Felicidades!

nos dois por agora disse...

Adorei ler este relato...está escrito duma forma fantastica
E ainda bem que tudo correu bem...


Beijinhos para a Inês e para a mama

Pipoquita disse...

Adorei a descrição do parto, da vinda da Inês ao mundo, para quem tem jeito com as palavras é assim, coloca as lágrimas nos olhos dos outros e consegue apertar-nos o coração um bocadinho mais do que já está!

Obrigada por partilhares esta felicidade connosco...
Beijinhos à nova família e tudo a correr bem!

margarida sardo disse...

Amiga, fiquei emocionada deste lado do computador... que bela descrição... uma dia a tua inês vai ler e agradecer por teres registadoo tão bem o momento por escrito!
Ainda bem que correu tudo bem! beijinhos aos 3!

PM disse...

Belo retrato!!!!
Por momentos até o meu coração ficou pequenino... e os olhos... bem esses estão alagados!!!
Parabéns!!!!
Beijocas ENORMES para vocês

joana disse...

Ainda estou com lágrimas no olhos. Fez-me lembrar as dores que tive para o Martim nascer, mas com a diferença de não ter tido epidural (ainda sonho com ela) e ao contrário da Inês, o Martim ser maior do que era esperado (4.000kg)

Parabéns! e muitas felicidades

)0( disse...

É muito emocionada que vos deixo aqui um grande beijinho, votos de felicidades e muitos parabéns pela vossa filha (tem uns olhos magnificos!)
No fim tudo correu bem e isso é que é importante.

Carla e Tati

ALEXIA disse...

Bem que descrição....que bom acabou em bem com mãe e filha a olharem-se pela primeira vez. Muitos parabéns

beijos

Sofia Isabel Quintela disse...

Confesso que tabém me cairam as lagrimas...foi uma descrição muito sentida... e lembramo-nos sempre do nascimento dos nossos ainda que sejam experiencias tao deiferentes...

Anónimo disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,

Licença Creative Commons
Mundo Azul by Rita Coelho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição - NãoComercial - SemDerivados 2.5 Portugal